Vicente Pires

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Vicente Pires é a mais nova cidade assaltélite do Distrito Federal, foi criada oficialmente em 2009 quando Guará, Águas Claras, Park Way e Taguatinga recusaram-se a administrar aquelas invasões e puro barro, então o GDF não teve opção a não ser declarar a independência de Vicente Pires, considerada pelo IBGE uma das piores cidade do Brasil.

História[editar]

Principal acesso à Vicente Pires.

Devido à forte especulação imobiliária no Distrito Federal (lê-se, "grilagem de terras, invasões e condomínios ecologicamente irregulares"), aliado ao incrível déficit de moradia para classe média (lê-se, "só tem barraco nessa merda e nenhuma moradia decente!"). Surge Vicente Pires, um bairro de Taguatinga semi-rural, semi-civilizado, semi-alfabetizado, semi-asfaltado habitado em sua maioria por pseudo-pessoas, Vicente Pires sonha ser como o Park Way quando crescer, para isso falta apenas asfalto, água, empregos, renda, infra-estrutura, esgoto e principalmente educação do povo.

Vicente Pires era apenas um bairro de Taguatinga, mas seguindo as tendências de expansões no DF onde os ricos começaram a separar-se dos pobres (como por exemplo o Sudoeste do Cruzeiro e o Park Way do Núcleo Bandeirante). E assim surge oficialmente em 2009 a Região Administrativa de Vicente Pires.

É curioso notar em Vicente Pires uma cerca que separa a cidade de Taguatinga de ponta a ponta, assim dificultando a passagem dos nordestinos de Taguatinga, que vão chépar não sei o quê naquele buraco.

O antigo bairro era formado da pior gentalha daquelas redondezas, ganha independência em 2009, quando as administrações de Guará e Taguatinga não querem mais saber de cuidar daquela roubada.

Hoje reúne a maior concentração de moradores em terras ilegais do Centro-Oeste, vencendo até os acampamentos do MST nas fazendas do norte do Mato Grosso, mas apesar disso, os moradores (semi-mendigos) ainda tiram onda de que "vivem em condomínios".

A rotina em Vicente Pires é dividida em duas estações distintas no ano. No período do meio do ano, quando não chove, a cidade é coberta de poeira e 80% da população contrai algum tipo de doença respiratória. Já nos períodos chuvosos que ocorrem nos finais e inícios dos anos, a cidade se tranforma numa gigantesca poça de lama e 80% da população contrai algum tipo de doença de pele. Observada através do Google Earth, Vicente Pires é a grande mancha marrom de barro no Distrito Federal.

Transportes[editar]

Vicente Pires concentra a maior quantidade de Toyotas Hilux e Land Rovers do DF, fazendo com que estes veículos sejam obrigatórios para travessia nas ruas da cidade.

Os moradores de Vicente Pires podem ser facilmente identificados pelo carro sem cor definida, a barra da calça vermelha de terra, os sapatos cobertos de pó a pele grossa ou os dentes mal lavados.

Lazer[editar]

Vicente Pires pode ser avistada pelas pistas da Estrutural ou pela EPTG nos dias de chuva, quando a nuvem de poeira baixa. Mas quando esse fenômeno ocorre, Vicente Pires não pode ser acessada devido aos atoleiros que se formam.

Devido a esse curioso fenômeno, Vicente Pires dispõe de excelentes trilhas para prática de motocross, ralis, enduros, car-crashes e testes de amortecedores, com imensas crateras e buracos generalizados, excelentes para a prática de rapel também. Campeonatinhos de luta na lama também já são um grande atrativa da cidade.

v d e h
BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL